quarta-feira, março 16, 2005

analfabetos

dia 15 de março de 2005, o país comemorou os 20 anos da volta da democracia. dia 15 de março de 2005, o país viu na assembléia legislativa de são paulo que a democracia voltou pela metade.
na teoria, os mandatos dos cargos executivos no brasil deveriam durar quatro anos. na realidade, são apenas dois, ou menos. a administração do presidente lula já está concentrada em sua reeleição, que será disputada apenas em 2006. com articulações políticas, promessas de verbas e cargos, a elite petista vai tentando fragilizar os maiores adversários de lula no seu projeto de poder. e, claro, a oposição reage na mesma moeda.
primeiro, foi na prefeitura de são paulo, quando no começo do ano josé serra não conseguiu eleger seu presidente na câmara de vereadores do município. o pt apoiou um dissidente do psdb, roberto trípoli, que venceu o candidato oficial ricardo montoro. é uma derrota política para josé serra, um possível candidato ao planalto, e também embaça a maior vitrine do psdb, a cidade de são paulo, pois a câmara de vereadores não vai aceitar todas as medidas do tucano para governar.
segundo, a eleição do folclórico e desconhecido severino cavalcanti para presidência da câmara dos deputados contou com a ajuda do psdb. foi o troco. agora lula tem que engolir o partido de severino, o pp de paulo maluf. isso representa dificuldades para governar e mostra para a opinião pública que o pt aceita barganhar cargos e acolhe em sua base aliada partidos da direita.
terceiro, ontem, na assembléia legislativa paulista o candidato do governador geraldo alckmin, o também tucano edson aparecido, perdeu a eleição para presidente da casa. de novo, o pt apoiou o candidato concorrente, rodrigo garcia, do pfl. além disso representar a perda de comando na assembléia, alckmin também pode ter problemas com o partido de seu vice do pfl, cláudio lembo. o governador é o nome mais forte no psdb para enfrentar lula.
nos bastidores, josé genoino, josé dirceu, marta suplicy e outros chefes do pt participaram do esforço para derrotar os tucanos. esses, do mesmo modo utilizaram seus principais nomes, como fernando henrique cardoso e arthur virgílio,
esforços
você já deve ter ouvido a expressão “esforço político”, a mídia e os próprios políticos adoram usar ela para dizer que estão trabalhando muito, por exemplo, votando leis de interesse da nação. mas em brasília os deputados e senadores não trabalham como nós, simples mortais, de segunda a sábado, mas sim apenas de terça a quinta. como você leu acima, hoje o maior esforço dos principais políticos brasileiros é um só: eleger de novo, ou não, lula em 2006. para não ser injusto, os políticos fazem também outro tipo de esforço, no vaso sanitário.
a reforma ministerial, que se arrasta desde novembro do ano passado, é mais uma prova do primeiro tipo de esforço. lula vai escolher ministros para agradar o pl, ptb, pmdb e o pp. ou seja, critérios técnicos e de competência para a escolha de ministros ficam para depois. é preciso conter principalmente o pmdb, pois lula não quer competir com garotinho em 2006. fhc fez praticamente a mesma coisa na sua vez. vide a compra de votos para reeleição e a aliança para domar o pmdb.
outra jogada no tabuleiro da reeleição de 2006 é a crise na saúde no rio de janeiro. o prefeito césar maia, candidato do pfl ao planalto, acusa a administração federal pelo péssimo atendimento nos hospitais fluminenses. já o ministro da saúde devolve e chama de incompetente o prefeito.
portanto, a tendência é colocar todos os políticos no mesmo saco, não acreditar mais em esperança nenhuma. no brasil, e em boa parte da américa latina, a democracia já não é tão valorizada depois de fracassos políticos e econômicos nesses países. “na ditadura que era bom, os militares prendiam e matavam os corruptos, não era essa bagunça”. frases como essa hoje não são ditas apenas por pessoas mais velhas e ignorantes, mas por jovens também.
democracia não é só eleger os políticos menos ruins para cargos executivos ou parlamentares, porém é isso o que temos hoje. creio que por sérios problemas educacionais o brasileiro não acompanha o processo político de seu país. essas manobras políticas para as eleições de 2006 têm reflexo direto na vida de todos, pois paralisam os governos, não privilegiam a eficiência administrativa e esbanjam dinheiro público. mas quantas pessoas têm capacidade para entender isso?
o mundo político esconde seus mecanismos do grande público de propósito. as decisões que envolvem poder e grandes quantias de dinheiro não estão disponíveis, não passam no jornal nacional. não são fáceis de entender como o aumento de salários dos deputados. precisam de vigília, leitura e reflexão.
o dramaturgo e poeta alemão bertolt brecht (1898-1956) resumiu esse ambiente nesse texto, o qual muitos conhecem, mas poucos entendem:

O Analfabeto Político

O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.

O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.

máscara mortuária de brecht

1 Comments:

At 12:37 AM, Anonymous Fabiano / Bauru / SP said...

Saudações Chaves! Tudo bem?
Parabéns pelo blog. Está muito especial, bonito e é claro, muito bem escrito.
Sempre deixarei comentários!
Abração.

 

Postar um comentário

<< Home