terça-feira, março 01, 2005

Imagino
(Arnaldo Baptista)

Imagino a minha morte
E a minha continuação

Livre, sem meu corpo
Só amando por aí

Energia pura e simples
Para além da imaginação

Ser o vento sem sentir
Numa enorme transação
Quente ou frio vou sentir
Leis da física mudando

Quais serão os postulados
As barreiras pra evolução
Eu só sei que vou sentir
Sem orelhas ou nariz
Ser amado tem ter sexo
Ser feliz como ninguém

E a procura continua
Numa enorme evolução

arnaldo baptista