sexta-feira, abril 15, 2005

infinito de sofrimento

lula é recebido com festa na áfrica, pelo menos nas ruas do continente. pode ser preconceito, mas a impressão que fica é que o povo africano é carente até de visitas, aquele primo pobre esquecido para o resto da família. pelo menos as notícias que chegam aqui mostram que as visitas de chefes de estado por lá são mais raras, obviamente concentradas na áfrica do sul e na nigéria.
a intenção da diplomacia brasileira de transformar o país numa espécie de eua dos pobres explica a turnê do presidente pela áfrica. a intenção é conquistar mercados e futuras alianças comerciais e geopolíticas. a áfrica tem graves problemas e um atraso ainda maior que o do brasil, mas tem muito minério e recursos naturais, além precisar de infra-estrutura tecnológica e social que o brasil pode vender também. enfim, éum investimento com resultados a longo prazo a parceria brasil-áfrica.
talvez a maior ganho brasileiro seja mesmo posar como o grande país defensor dos pobres. para a intenção brasileira de liderar os países sub ou em desenvolvimento, pegam muito bem as vistas amigáveis na áfrica. já éa quarta vez que lula foi lá.
claro, há também o lado politicamente correto e sentimental, a aproximação física com um continente amplamente ligado ao brasil e um mea culpa pela escravidão. o infinito de sofrimento dos negros também passa pelo brasil.