terça-feira, abril 26, 2005

livros de história

ontem, os armênios espalhados pelo mundo lembraram os 90 anos do massacre de 1,5 milhão de seus antepassados. a armênia acusa seu vizinho, a turquia, de realizar o genocídio em 1915 para conquistar territórios. outros milhares de armênios conseguiram fugir, indo parar na síria, líbano, eua e também no brasil.
a turquia até hoje nega o massacre, apenas diz que aconteceram algumas mortes dos dois lados em decorrência do final do império otomano na primeira guerra mundial. na sua história, a armênia já esteve sob controle dos impérios persa, romano, bizantino, otomano e russo.
outro antigo império do oriente, o japonês, também voltou a ser notícia recentemente. os japoneses, principalmente na primeira metade do século 20, tentaram dominar as coréias e a china praticando muitos crimes de guerra no período. a china protestou veementemente contra novos livros didáticos do japão que omitem ou minimizam as atrocidades do passado. além de exigir a retratação japonesa, os chineses também querem assumir de vez seu posto de líder na ásia e evitar qualquer interferência futura na sua relação com a rebelde província, ou país autônomo, de taiwan.
também já escrevi aqui sobre a guerra do paraguai. brasil, uruguai e argentina realizaram um genocídio no vizinho, a população ficou reduzida a poucos homens, uma grande parte da populaçãopassou a ser formada apenas por mulheres e crianças. nossos livros de história nas escolas citam rapidamente a guerra do paraguai e não mencionam o massacre.
claro que a história é contada pelos vencedores, ou melhor, a versão que fica e é aceita politicamente e ideologicamente é a dos mais fortes. caso o eixo fascista houvesse ganho a segunda guerra mundial, provavelmente nem existiram os muitos filmes sobre o holocausto. a china hoje só consegue o perdão público do japão porque virou uma potência militar e econômica. armênia e paraguai são países pobres, por isso não recebem desculpas ou seus velhos territórios de volta.